Uma publicação da:

desde 1998

HORMÔNIOS

BIOIDÊNTICO NANOESTRUTURADO É SAÚDE

Ano VII | ® Editora Conceito, desde 1998 | ISSN 2359-4578 | Editora-chefe: Marta DePaula | Editor-científico: Dr. Luiz Alberto da Fonseca CRO-SP 43730 |  Jornalista: Cezar Brites Mtb 15732


Preste atenção no seu nível de vitamina D

Dr. Rondó      segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Compartilhe esta página com seus amigos

Embora a deficiência de vitamina D esteja em um nível epidêmico, sinto muito em te dizer que a maioria das pessoas, incluindo muitos médicos, ainda não estão cientes das implicações.

Fato é que a vitamina D influencia pelo menos 3 mil dos 30 mil genes do seu corpo,  o que faz com que ela esteja diretamente envolvida na expressão de tantas doenças, tais como o câncer, o autismo, a doença cardíaca, artrite reumatoide, entre outras.

Um estudo feito pelo Ph.D e perito em vitamina D, doutor William Grant, descobriu que aproximadamente 30% das mortes por câncer poderiam ser evitadas com a utilização de um nível mais alto de vitamina D.  Além de prevenir contra o câncer, os pesquisadores estimam que o aumento do nível de vitamina D poderia prevenir contra doenças que ceifam quase um milhão de vidas globalmente a cada ano.  Além disso, a vitamina D também age contra resfriados e gripes, pois ajuda o seu sistema imune a defender o corpo contra as bactérias e os vírus.

A minha recomendação é a de que você cheque o seu nível de vitamina D regularmente. Mas tenha certeza de que está fazendo o exame correto. Há dois exames para a vitamina D: o 1,25(OH) e o 25(OH)D.  Dos dois, o 25(OH)D (também chamado de 25-hidroxivitamina D) é um marcador melhor do estado geral da vitamina D.

Os âmbitos seguintes foram obtidos em um estudo clínico de grande escala que avaliou pessoas saudáveis nas partes tropicais ou subtropicais do mundo, onde elas estão recebendo exposição saudável ao sol.  Parece mais razoável presumir que estes valores de fato reflitam um requerimento humano ideal. Quando você fizer o exame para a vitamina D, por favor perceba que muitos laboratórios comerciais estão usando velhos e antiquados âmbitos de referência e o “normal” deles provavelmente esteja muito abaixo dos valores ideais e clinicamente relevantes.

Se o seu nível de vitamina D estiver baixo demais, a melhor maneira de aumentá-lo é com exposição à luz natural do sol, em quantidades apropriadas. Você pode também optar por um suplemento oral de vitamina D3.  Apenas lembre-se que se você suplementar oralmente, é até MAIS importante ainda checar o seu nível sanguíneo regularmente, já que há uma larga variação em quão eficientemente cada pessoa absorve a vitamina D oral.

As últimas pesquisas indicam que os adultos precisam de aproximadamente 8.000 UIs de vitamina D por dia para alcançar um nível de vitamina D de 40 ng/ml. Então, trate de monitorar o seu nível cuidadosamente para determinar a dosagem que você precisa para alcançar e manter o nível ideal, já que isto é altamente variável.

Não existe uma dosagem mágica quando se trata de vitamina D; na verdade, é o nível sérico que realmente importa.

[divider]

Referências bibliográficas:

–       Vitamin D Council

–       American Journal of Clinical Nutrition Jun 2007, 85(6):1586-91

–       American Journal of Epidemiology Oct 2007, 166(12):1409-19 
 

Fonte: www.drrondo.com

 
 

Comentários

Hormônios são os responsáveis pela regulação das atividades fisiológicas  e comportamentais como o sono, o humor, a digestão, o metabolismo, a respiração, a função tecidual, a percepção sensorial, a excreção, a lactação, o estresse, o crescimento, o desenvolvimento, o movimento e a reprodução.





É assim que os nossos HORMÔNIOS agem...

   A boca normalmente vem acompanhada de rins, pâncreas, fígado, coração, pulmões...e tudo o que for feito terá ação sistêmica.
O mesmo HORMÔNIO que lubrifica a articulação mandibular, lubrifica seu joelho! O mesmo HORMÔNIO que determina sua osseointegração no implante dentário, determina sua osteoporose e o mesmo HORMÔNIO que melhora a sua gengivite, melhora a qualidade do seu sono... Dose seus HORMÔNIOS!!

LEIA MAIS AQUI!

 


CÉREBRO




A boca não está separada do restante do corpo, e várias alterações sistêmicas influenciam diretamente na saúde bucal. Diabetes, inflamações, infecções, alterações hormonais etc- todas essas condições têm influência na saúde das gengivas e ossos. Infecções dentárias também podem se disseminar facilmente por várias partes do corpo. Um microorganismo da boca pode entrar na circulação sanguínea e provocar danos às artérias ou outras doenças.
Através de exames podemos identificar alterações que podem interferir nos resultados dos tratamentos realizados.

Leia mais aqui!