MAIOR PORTAL SOBRE SAÚDE HORMONAL
Editora Conceito, há 22 anos transformando vidas!

Ano IX | ® Editora Conceito, desde 1998 | ISSN impresso 2359-4578 | Editora-chefe: Marta DePaula | Editor-científico: Dr. Luiz Alberto da Fonseca CRO-SP 43730 |  Jornalista: Cezar Brites Mtb 15732

Por que o Cirurgião-Dentista precisa entender de hormônios?

Dr. André Oliveira      domingo, 15 de setembro de 2019

Compartilhe esta página com seus amigos

Autor: Dr. André OliveiraGraduado em Odontologia UPF/1989. Especialista em Radiologia UPF/2000. Pós-Graduação Ortodontia-Uningá/2012. Habilitado ClickAligner/Alinhadores invisíveis. Habilitado em Toxina Botulínica. Laserterapia. Protocolo Botelho (Pós-granduando no curso de Fisiologia Hormonal – Protocolo Marco Botelho, com ênfase na Odontologia). 


Como costumamos dizer: Um Cirurgião-Dentista atende em sua vida profissional, um paciente que chega em seu consultório com cabeça, pescoço, tórax e abdômen e seus respectivos órgãos internos, membros e não só e apenas dentes, pois apesar de ser Dentista, também é um Cirurgião, necessitando para sua formação básica do conhecimento de todo o corpo humano, com o principal foco na face.

A face sua estrutura músculo-esquelética e tegumentar, a boca, onde se localizam os dentes, língua, mucosas, ossos alvolares, ATM (articulação temporomandicular) fazem parte de um indivíduo como um todo, ou seja, sangue, nutrientes, hormônios, percorrem esta área de atuação como em qualquer órgão ou tecido do corpo humano.

Medicamentos usados na medicina para tratar doenças também coincidem com medicamentos que o Cirurgião-Dentista poderá abrir mão na sua área de atuação, incluindo neste arsenal os hormônios e derivados, garantida esta possibilidade, pela Lei Federal Nº 9.965, DE 27 DE ABRIL DE 2000, a qual restringe a venda ou manipulação de hormônios somente com prescrição de receita de médico ou dentista, em consonância com a Lei Nº 5.081, DE 24 DE AGOSTO DE 1966, a qual regula as atividades profissionais Cirugiões-Dentistas.

Muitas doenças ocorrem ou se manifestam devido ao envelhecimento natural com seus efeitos em todo o corpo humano, a face e a cavidade oral e seus anexos, áreas de atuação do Cirurgião-Dentista também sofrem este envelhecimento; e porque envelhecemos? Podemos citar alguns eventos:

-Encurtamento telomeral, quando a perda dos telômeros é uma importante causa de envelhecimento; a enzima telomerase protege contra o encurtamento na extremidade dos cromossomos;

-Desarmonias hormonais: a queda, desequilíbrio e pausa dos hormônios, é importante fator de envelhecimento acelerado.

-Oxidação celular: fumo, álcool, alimentação inflamatória, vida sedentária, estresse, poluição ambiental, etc.

Grande parte deste envelhecimento, ocorre pela presença de inflamação crônica, a qual pode se estabelecer no nosso organismo, decorrente do sedentarismo, dieta inadequada rica em carboidratos e gorduras trans, estresse crônico e/ou oxidativo, excesso de radicais livres etc.

O resultado é redução dos níveis hormonais, dos níveis de antioxidantes, vitaminas e minerais, desencadeando, consequentemente, muitas patologias, como obesidade, osteoporose, diabetes tipo II, doenças cardiovasculares, câncer, doenças autoimunes, etc.

Os estudos têm demonstrado que algumas doenças bucais sofrem influências dos fatores inflamatórios e da redução de níveis hormonais, especialmente as doenças periodontais, a perda óssea alveolar, e risco aumentado à cárie.

Sabendo disso, devemos dispor de recursos, que permitam minimizar os efeitos danosos do envelhecimento, permitindo ao paciente uma melhor qualidade de vida, com redução de perdas dentárias, redução de perda de osso alveolar, redução do índice de cáries, evitar ressecamento das mucosas, redução da perda do tônus muscular da face.

Para isto lançamos hoje em dia de um esplêndido recurso: Modulação Hormonal Bioidêntica Nanoestruturada, aliada a um estilo de vida saudável que envolve a utilização de dieta baseada em comida de verdade, minimizando ou eliminando o uso de alimentos industrializados e multiprocessados, a prática de exercícios moderados a intensos, tentando reduzir fatores de stress, ter um sono reparador, e reduzir ou eliminar o uso de medicamentos

A utilização destes hormônios, os quais são mensageiros bioquímicos que sinalizam mensagens para que as células funcionem, restaurem, reparem e regenerem os tecidos, vem se revelando como uma ferramenta terapêutica valiosa no dia a dia de todas as especialidades dentro da Odontologia.

Os tempos de tratamentos ficam encurtados e a qualidade das respostas clínicas têm sido superiores às dos tratamentos convencionais isolados. Os hormônios influenciam de modo significativo o controle de gengivite e periodontite, perda óssea alveolar, incidência de cárie, disfunção temporomandibular (DTM) entre outras.

A literatura está repleta de estudos em inúmeros países e vem evidenciando de forma inequívoca o benefício que vários hormônios trazem à saúde bucal.

Exemplificando, a ação de alguns hormônios com relação direta com a saúde bucal e consequentemente com a saúde como um todo:

-Testosterona: aumenta a densidade mineral óssea, aumenta a massa muscular, otimiza todo o metabolismo, diminui a ação de fatores pró-inflamatórios, previne o encurtamento telomeral, aumenta a espessura da pele, favorece a osteointegração de implantes.

-Progesterona: eleva a sensação de bem estar, protege contra o câncer de mama, estabiliza os níveis de glicemia, inibe a atividade pró-coagulante, tem ação antioxidante e protetora cerebral, tem efeito sedativo natural no Sistema Nervoso Central, reduz os níveis de estradiol em homens, protege contra a osteosporose, redução dos distúrbios temporomandibulares por sua ação antiinflamatória (inibindo a ação da colagenase, ação osteoblástica direta e indireta, e regulação nos fluidos articulares).

-Estradiol: mantém a densidade mineral óssea, reduz incidência de rugas, reduz o risco de câncer colorretal, reduz drasticamente a perda dental, importante fator na lubrificação do trato digestivo e articulações.

 

Ainda poderíamos falar de muitos outros hormônios, especialmente da Vitamina D, que não é uma vitamina e sim um hormônio e está intimamente associada ao risco aumentado de cárie. A

ssim, é obrigação do Cirurgião-Dentista diagnosticar e tratar hipovitaminose de Vitamina D, que também tem influência na mineralização óssea, prevenindo osteoporose, fator importante da formação de ossos e dentes, controla a hipertensão arterial, modulação da imunidade, cofator para a fisiologia da tireoide, reduz efeitos da depressão, suas baixas doses ideais demonstram relação com doenças como autismo e Alzheimer.

Todos estes hormônios, quando em níveis ideais e otimizados, ajudam a permitir um tratamento odontológico de qualidade, com mais previsibilidade de sucesso, devido principalmente a melhor qualidade da matriz óssea do periodonto, então, todas as especialidades podem obter os benefícios, como a Ortodontia e Ortopedia, Periodontia, Implantodontia, Cirurgia Buco-maxilofacial, principalmente.

O Cirurgião-Dentista pode prescrever tudo o que a ciência preconiza que tenha relação direta com o problema do paciente. Algumas situações clínicas, como menopausa, diabetes etc., também podem estar interferindo na saúde bucal. Nesse caso, é dever do Cirurgião-Dentista diagnosticar, tratar ou se necessário encaminhar para o médico ou mesmo um nutricionista.

A compreensão exata (conhecimento, domínio e aplicação) da fisiologia das múltiplas quedas hormonais com eficiência e segurança, constitui o mais alto grau de relevância para uma saúde ótima e longevidade saudável, e é isto que a Modulação Hormonal Bioidêntica Nanoestrurada de acordo com o Protocolo Marco Botelho, oferece para a recuperação e a manutenção da Saúde e qualidade de vida.

Sim é possível envelhecer sem perder a força física ou mental, e aproveitar todos os seus dias com energia, disposição e bem-estar, protegido contra doenças e condições debilitantes, as quais se manisfestam também na face e cavidade oral, foco da atenção profissional do Cirurgião-Dentista.

Comentários

Conheça os Hormônios


O que são Hormônios?

segunda-feira, 30 de março de 2020

Hormônios e a inflamação

domingo, 30 de junho de 2019

Testosterona

domingo, 30 de junho de 2019

Progesterona

domingo, 30 de junho de 2019

Estradiol

domingo, 30 de junho de 2019

Colecalciferol - Vitamina D

domingo, 30 de junho de 2019

Hormônio Ocitocina

domingo, 30 de junho de 2019

Hormônios e a dor

domingo, 30 de junho de 2019

Hormônios e o câncer

domingo, 30 de junho de 2019