Uma publicação da:

desde 1998

HORMÔNIOS

BIOIDÊNTICO NANOESTRUTURADO É SAÚDE

Ano VII | ® Editora Conceito, desde 1998 | ISSN 2359-4578 | Editora-chefe: Marta DePaula | Editor-científico: Dr. Luiz Alberto da Fonseca CRO-SP 43730 |  Jornalista: Cezar Brites Mtb 15732


HORMÔNIOS e o CÂNCER

Dr. Marco Botelho, MSc, Phd.      domingo, 30 de junho de 2019

Compartilhe esta página com seus amigos

O Câncer de Próstata, por exemplo, inicia a partir de um processo inflamatório crônico devido à deficiência de testosterona.

Não é comum ocorrerem patologias da próstata em adolescentes, já que o pico de hormônios ocorre nessa fase da vida.

Além disso, estudos mostram que homens com níveis mais baixos de testosterona são significativamente mais propensos a terem níveis mais elevados de PSA (antígeno prostático específico).

Isso quer dizer que níveis baixos de testosterona criam um estado inflamatório sistêmico, reduzem os níveis de óxido nítrico prostático, o que pode levar ao aumento da pressão intra-prostática.

Aproximadamente dois terços dos pacientes masculinos com câncer avançado apresentam níveis baixos de testosterona, por isso a terapia de reposição de testosterona é considerada segura para homens com patologias benignas ou malignas da próstata.

A incidência de câncer de mama, útero e ovários, em mulheres na puberdade, também não é comum, nem no período gestacional, pois são épocas de maior produção hormonal.

Por outro lado, quando a mulher entra em MENOPAUSA ou faz uso de CONTRACEPTIVOS ORAIS ou INTRAUTERINOS e seus níveis hormonais decrescem consideravelmente, ocorre a maior incidência de neoplasias.

Autor: Dr. Marco Botelho, MSc, Phd.

Adquira o livro: A VIDA SEM MEDICAMENTOS

Comentários

Hormônios são os responsáveis pela regulação das atividades fisiológicas  e comportamentais como o sono, o humor, a digestão, o metabolismo, a respiração, a função tecidual, a percepção sensorial, a excreção, a lactação, o estresse, o crescimento, o desenvolvimento, o movimento e a reprodução.





É assim que os nossos HORMÔNIOS agem...

   A boca normalmente vem acompanhada de rins, pâncreas, fígado, coração, pulmões...e tudo o que for feito terá ação sistêmica.
O mesmo HORMÔNIO que lubrifica a articulação mandibular, lubrifica seu joelho! O mesmo HORMÔNIO que determina sua osseointegração no implante dentário, determina sua osteoporose e o mesmo HORMÔNIO que melhora a sua gengivite, melhora a qualidade do seu sono... Dose seus HORMÔNIOS!!

LEIA MAIS AQUI!

 


CÉREBRO




A boca não está separada do restante do corpo, e várias alterações sistêmicas influenciam diretamente na saúde bucal. Diabetes, inflamações, infecções, alterações hormonais etc- todas essas condições têm influência na saúde das gengivas e ossos. Infecções dentárias também podem se disseminar facilmente por várias partes do corpo. Um microorganismo da boca pode entrar na circulação sanguínea e provocar danos às artérias ou outras doenças.
Através de exames podemos identificar alterações que podem interferir nos resultados dos tratamentos realizados.

Leia mais aqui!