Uma publicação da:

desde 1998

Ano VII | ® Editora Conceito, desde 1998 | ISSN 2359-4578 | Editora-chefe: Marta DePaula | Editor-científico: Dr. Luiz Alberto da Fonseca CRO-SP 43730 |  Jornalista: Cezar Brites Mtb 15732



HORMÔNIO OCITOCINA

Dr. Marco Botelho, MSc, Phd      domingo, 30 de junho de 2019

Compartilhe esta página com seus amigos

- Será que todos conhecem ou já ouviram falar do "hormônio do amor"? Além de promover afeição entre as pessoas, quais funções psicológicas e fisiológicas esse hormônio desempenha no nosso organismo?

A ocitocina ou oxitocina é um hormônio produzido pelo hipotálamo e armazenado na neurohipófise (hipófise posterior) de onde é liberado para a corrente sanguínea.

Ele apresenta ação periférica e cerebral, e seus receptores são encontrados em células em todo o corpo e demandam de colesterol para o seu bom funcionamento.

A ocitocina na mulher desempenha um importante papel nas funções reprodutivas, desde a atividade sexual até a amamentação.

Além disso, esse hormônio é um dos responsáveis pela atração entre os parceiros, porque seus níveis elevados promovem aumento da líbido, da lubrificação e do tônus vaginal e intensificam o orgasmo.

Suas concentrações plasmáticas durante o orgasmo, tanto feminino como masculino, são significativamente aumentadas, e as contrações musculares do orgasmo acabam facilitando o transporte de espermatozoides nos homens e do óvulo nas mulheres (LEE, 2009).

No trabalho de parto, para continuar exemplificando a importância desse elemento, é o momento em que mais ocorre a liberação de ocitocina no corpo, porque esse hormônio é o responsável por promover as contrações musculares uterinas, o que provoca a dilatação do colo uterino e a descida do bebê no canal pélvico.

Ademais, ela é importante também no controle de hemorragias pós-parto por reduzir o sangramento ao promover a contração uterina.

Durante a amamentação, o movimento de sucção estimula uma maior produção de ocitocina e promove a mais rápida saída do leite materno e uma consequente maior produção, o que estreita os laços afetivos entre a mãe e o bebê.

Nas mulheres que amamentam e consequentemente têm uma maior produção de ocitocina, as contrações musculares permitem que o útero volte ao tamanho normal mais rapidamente.

Nos homens, por outro lado, a ocitocina aumenta a sensibilidade do pênis durante a relação sexual, melhora a ejaculação pela contração das vesículas seminais e próstata e aumenta a frequência das ereções (GIMPL; FAHRENHOLZ, 2010).

Ela auxilia também no tratamento da anorgasmia (dificuldade de atingir o orgasmo), melhora a qualidade da ejaculação e promove relaxamento muscular após o ato sexual.

Isso tudo é muito relevante porque o aumento dos níveis de ocitocina após o orgasmo desenvolve, em geral, uma maior afetividade entre os parceiros.

Além dessas questões, a ocitocina também é capaz de estimular a produção de hormônio do crescimento e de testosterona e de reduzir a produção de cortisol.

Isso significa que ela reduz o estresse, melhora o humor e pode auxiliar no tratamento de pessoas com depressão e transtornos de ansiedade.

Ou seja, esse hormônio é extremamente positivo ao corpo humano porque, além de tudo, ajuda na prevenção de infarto, controla a pressão arterial e a vasodilatação das artérias.

O "hormônio do amor" protege o nosso coração.

Um dos maiores ganhos na área da saúde humana, em relação à possibilidade de auxiliar alguém com um problema social grave, é o auxilio que a ocitocina proporciona, durante e depois do tratamento, na redução da dependência de drogas.

A tolerância e dependência às drogas como cocaína e álcool, por exemplo, envolvem mecanismos neuroadaptativos.

Os neuropeptídeos como a ocitocina inibem a tolerância a essas drogas e ajudam a reduzir os sintomas da abstinência.

Isso tudo ocorre devido aos seus efeitos de neuroadaptação e aos efeitos modulatórios sobre a tolerância e dependência química, atuando como um "antídoto" para o desejo e amenizando a vontade do consumo das drogas (SARNYAI, 1998; BETKAELAL, 2018).

Gostaríamos ainda de ressaltar que pessoas com autismo podem se beneficiar com o uso de ocitocina, já que os níveis desse hormônio costumam ser menores em pessoas com autismo devido a níveis baixos de seus receptores nas células.

Diversos estudos mostram uma significativa melhora na capacidade dos autistas de interagirem com outras pessoas após o uso de ocitocina, pois essa substância reduz o medo, melhora a cognição, diminui os movimentos repetitivos, melhora a capacidade de comunicação e a relação social.

Portanto, regiões cerebrais associadas à recompensa e ao reconhecimento das emoções respondem melhor em crianças que fizeram uso desse hormônio.

Por fim, indivíduos com outros transtornos psiquiátricos, como síndrome do Pânico e esquizofrenia, também podem se beneficiar desse hormônio (JACOBSON, 2014).

Ou seja, não há motivos razoáveis, diante de tantos benefícios, para não se fazer uso da modulação hormonal bioidêntica nanoestruturada.

Autor: Dr. Marco Botelho, MSc, Phd.

Adquira o livro: A VIDA SEM MEDICAMENTOS

Comentários







Parceiros do Jornal




Busque por #Hashtags


Dose seus hormônios

Segundo a ciência, os desruptores endócrinos podem provocar estragos diversos no organismo, que vão de obesidade a câncer, passando por distúrbios na tireoide.
A ciência está descobrindo que produtos do nosso cotidiano, como esmaltes, televisão e até água encanada, escondem substâncias capazes de alterar o funcionamento do nosso corpo.
Você sabia que os desruptores endócrinos são compostos artificiais ou naturais que interferem na ação dos nossos hormônios e nos expõem a doenças? Hoje, há suspeitas sobre mais de 800 misturas químicas. “Elas estão na indústria e na agricultura e entram no corpo pela ingestão de água, de alimentos e pela respiração”, diz a química Débora Santos, da Universidade Federal de Pernambuco. Essa também é uma boa razão pela qual você deve dosar seus hormônios.

#protocolobotelho

#avidasemmedicamentos